Carregando

Sucessão familiar: quem assume a empresa na próxima geração?

Por banco-topazio | 11 de março de 2020

Entenda porque é importante planejar a sucessão familiar a longo prazo e confira dicas para começar o processo

Quem é empreendedor já deve ter pensado algumas vezes na continuidade da empresa. Quem assumirá o negócio nas gerações futuras? Qual é o integrante da família mais qualificado para ser essa liderança? Como acontece essa sucessão em termos legais?

É importante que essas perguntas não fiquem apenas para a reflexão do empresário, mas que deem início ao processo de sucessão familiar da empresa, realizado de forma planejada, racional e, de preferência, a longo prazo.

Diversos fatores estão em jogo nessa transição, como o direcionamento da operação do negócio, os valores, a imagem institucional e, ainda, a cultura corporativa, que é o conjunto de normas, costumes e processos que norteiam a forma como a organização é administrada.

Desde o início do processo, é fundamental ter em mente que a sucessão não é uma relação unilateral entre proprietário e herdeiro, já que geralmente envolve também os outros sócios. Entra nesta conta também o relacionamento com os funcionários, que devem sentir segurança durante o processo para que não haja conflitos.

Em entrevista ao Fórum Brasileiro da Família Empresária, Hugo Nisembaum, especialista em Talent Performance (ou seja, o desempenho dos colaboradores) da Grant Thornton, “o processo de identificação dos talentos começa já quando os familiares iniciam sua educação, reconhecendo que talentos, conhecimentos e habilidades estão distribuídos dentro da família”.

Listamos a seguir algumas dicas para iniciar a sucessão familiar na sua empresa

1. Inicie o planejamento com antecedência

É preciso planejar a sucessão com antecedência, inclusive incluindo o tópico no plano de negócios da empresa. Comece analisando o que você quer para o futuro da empresa e quais habilidades são necessárias para administrar o seu negócio. Habilidades técnicas ou específicas são requisito para o cargo? Registrar essas observações é o primeiro passo para o planejamento.

2. Identifique talentos

Embora muitos empresários, historicamente, considerem o primogênito como primeira opção para assumir a empresa, o ideal é considerar toda a linha sucessória, analisando os talentos e habilidades de cada integrante. Quais desses valores identificados são mais importantes para administrar a empresa? Capacidade de trabalhar em grupo, vocação para liderança e competência para o cargo também são fatores a serem analisados. Quais características podem ser adquiridas com cursos e capacitações?

3. Envolva a família

O diálogo deve ser central durante todo o processo. Envolver a família no planejamento pode facilitar a transição, na medida em que, embora possam haver discordâncias, a transparência e a conversa facilitam o entendimento de uma decisão em conjunto. Nesse momento, também é recomendado transmitir aos herdeiros a missão da empresa e os valores necessários para administrá-la.

4. Integre o sucessor à empresa

Especialistas recomendam que a sucessão seja realizada de forma gradual. Por isso, depois de definido o sucessor, ele pode ser admitido pela empresa no quadro de funcionários. Aos poucos, o administrador vai delegando as funções, e o sucessor vai tomando consciência de todos os encargos e habilidades necessárias para a liderança, se integrando à cultura da empresa.

5. Registrar o acordo familiar

Definidas as deliberações e traçado o plano de sucessão, tudo deve ser formalizado em cartório, a fim de assegurar validade jurídica. A formalização será o instrumento que vai guiar a transição e evitar possíveis conflitos e adversidades futuras.

Se você já definiu quem vai ser seu sucessor, comece a identificar as habilidades do próximo administrador e converse com ele sobre a história da empresa e sobre as particularidades do negócio. Desde o início, é preciso também considerar que podem haver imprevistos. Portanto um bom plano é aquele que permite adaptações, se necessário, de acordo com o quadro familiar, a identidade da empresa e o plano de negócios da mesma. Se for realizada de forma racional e gradual, a sucessão será perfeitamente integrada à rotina corporativa.

Leia mais: 4 Dicas para administrar uma empresa familiar

 

Deixe o seu comentário