Carregando

Sistema Pix: quase mil empresas estão em processo de adesão

Por banco-topazio | 18 de agosto de 2020

Saiba como está ocorrendo a implementação do Pix, o novo sistema de pagamentos instantâneos que deve revolucionar o sistema bancário nacional.

Previsto para estrear no dia 16 de novembro de 2020, o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos, o Pix, tem cumprido rigorosamente seu cronograma de desenvolvimento e implantação e atualmente conta com quase mil empresas em processo de adesão. 

São 140 empresas diretamente aderidas, além de outras 838 indiretamente, por intermédio dessas empresas. Bancos e instituições financeiras com mais de 500 mil clientes também deverão se adequar às regras.

A implantação do Pix significará uma verdadeira revolução no sistema bancário brasileiro: transações financeiras poderão acontecer instantaneamente, 24h por dia, sete dias por semana, e o custo dessas operações também diminuirá. 

Desenvolvimento do Pix

Com um detalhado processo de implantação liderado pelo Banco Central do Brasil (Bacen), o desenvolvimento do Pix acontece desde 2018. Primeiro, houve a criação de um grupo de trabalho relacionado ao tema dos pagamentos instantâneos.

Em seguida, já em 2019, o Bacen criou um fórum com 220 instituições do mercado que começou a definir as regras do sistema. Foram quatro temas relacionados: Negócios, Padronização e Requisitos Técnicos, Mensagens PI e Segurança. A partir de então, o fórum se tornou uma estrutura permanente, que mesmo após o lançamento do Pix buscará o aprimoramento do sistema.

Em fevereiro de 2020, o Bacen divulgou os critérios de participação das instituições que pretendem integrar o ecossistema. A etapa de cadastro, na qual as instituições solicitaram a adesão ao Pix, foi concluída em 1º de junho, data em que também iniciou a etapa de homologação.

Nesta fase, as interessadas direta e indiretamente realizam testes na plataforma de liquidação financeira do Pix – o Sistema de Pagamento Instantâneo (SPI) e no diretório de contas transacionais para endereço de pagamentos (DICT). Os testes também avaliam se as soluções desenvolvidas efetivamente funcionarão para o usuário do sistema, ou seja, os clientes das instituições que farão parte do sistema Pix.

De acordo com o diretor de Bank as a Service (BaaS) do Banco Topázio, Carlos Klein, a ideia desse período é “criar uma experiência rica com grande velocidade de resposta, segura nos aspectos transacionais e de negócios”, explica.

Como funciona o sistema Pix

O Pix vem para agilizar completamente os pagamentos instantâneos no Brasil. O sistema vai aumentar a velocidade da realização de pagamentos e transferências, baixará o custo das operações financeiras e aumentará a segurança do sistema como um todo. Como consequência, a experiência dos clientes será aprimorada, o que aumenta a competitividade do mercado e abrirá o leque de opções de produtos e serviços ofertados.

Outra transformação também deverá ocorrer: a diminuição das operações e serviços baseados no uso de papel, como depósitos, emissão de faturas, conferências de extratos, entre outras.

As transações financeiras do Pix poderão ser realizadas 24h por dia, sete dias por semana, em um processo de até 10 segundos. Uma grande evolução em comparação aos processos disponíveis atualmente, como o uso de DOCs e TEDs, pagamentos em boleto e cartões, que podem levar até dois dias úteis para serem efetivadas e que têm um maior custo nos bancos comerciais. 

“O Pix acabará contribuindo para alguns saltos em processos internos de atendimento e suporte, principalmente, com o desafio de movimentações 24h por dia e 7 dias por semana, algo novo no mercado brasileiro”, reforça Klein.

Quer receber conteúdos como esse por email? Inscreva-se na nossa newsletter!
É só preencher seus dados no final da página.

As operações no sistema Pix poderão acontecer de pessoa para pessoa, entre estabelecimentos, pessoas e estabelecimentos e entidades governamentais (para o pagamento de salário). Para isso, bastará, tanto para quem envia quanto para quem recebe, ter uma conta em banco, instituição financeira ou de pagamento. E a transação poderá acontecer por meio da leitura de QR Code ou com dados como CPF, CNPJ, e-mail e número de celular.

O Banco Topázio no sistema Pix

O Banco Topázio está presente no ecossistema de instituições que integrarão o Pix desde o início e é participante ativo das discussões e do desenvolvimento do novo sistema, contribuindo desde o início para a sua criação e aprimoramento. Entendemos que o ambiente do Pix evolui a experiência de pagamentos no Brasil e em nossa missão de facilitar o acesso de nossos parceiros, fintechs e instituições de pagamentos principalmente”, reforça Carlos Klein.

Banco Topázio e a implantação do PIX

Carlos Klein, diretor de Bank as a Service (BaaS) do Banco Topázio

O fato de o Banco Topázio fornecer soluções bancárias a outras instituições, por meio do Bank as a Service (BaaS) tem ampliado a participação do Topázio no processo de implantação do Pix. “Temos evoluído com o Banco Central no cronograma de homologações, ao mesmo tempo em que precisamos divulgar aos parceiros os serviços para sua utilização e implementação em seus aplicativos e produtos. Ficamos muito contentes com a adesão de parceiros que nos indicaram como seu representante direto na estrutura”.

O diretor de BaaS ainda pontua que a divulgação do regulamento do arranjo das homologações acelerará o processo de definições de negócios e modelos presentes no sistema Pix.

Na posição de instituição diretamente aderida ao sistema Pix, e que servirá de acesso a outras instituições cuja adesão ao sistema é indireta, o Banco Topázio está em uma dupla frente de atuação, segundo Klein. “Esperamos encontrar uma gama interessante de experiências oferecidas aos usuários por nossos parceiros e ficamos abertos para propostas de experiência e a construção da infra-estrutura, na retaguarda, para viabilizar essas jornadas”, conclui.

 

Fique por dentro de tudo sobre o Pix aqui!

 

Deixe o seu comentário