Carregando

Pix em funcionamento: confira um balanço do primeiro mês de uso no Brasil

Por banco-topazio | 14 de janeiro de 2021

Pix completou um mês de operação em dezembro. Veja os dados divulgados pelo Banco Central sobre transações realizadas, perfil dos usuários e novidades que vêm pela frente

 

No dia 16 de dezembro, o Pix completou um mês de funcionamento no Brasil. O novo sistema de pagamentos instantâneos vem modificando a forma tradicional de se fazer transações financeiras. E isso vem gerando impactos na economia brasileira e também no dia a dia de pessoas físicas e jurídicas. Principalmente por permitir a transferência de valores a qualquer momento e de forma imediata. Essas operações podem ser realizadas inclusive aos finais de semana e feriados. E sem taxas para pessoas físicas.

 

Recentemente, o Banco Central divulgou alguns números e informações referentes ao primeiro mês do sistema. Durante esse período, foram contabilizadas 92,5 milhões de operações. Totalizando R$ 83,4 bilhões de reais e abrangendo mais de 46,4 milhões de pessoas. Ao todo, 116 milhões de chaves foram cadastradas. Esse número equivale a 46,4 milhões de pessoas (110,9 milhões de chaves) e 3 milhões de empresas (5,1 milhões de chaves) cadastradas. Cada pessoa física pode registrar até cinco chaves Pix por instituição financeira. Para pessoas jurídicas, o limite aumenta para 20.

 

Pix para empresas

A adoção do Pix por empresas deve trazer mais agilidade, segurança nas operações e custos menores. Dessa forma, poderá proporcionar ganhos de fluxo de caixa e maior facilidade logística, aumentando a competitividade dos negócios e diminuindo trâmites burocráticos. Segundo o Banco Central, a tendência é que, nos próximos meses, aumente o número de empresas cadastradas no serviço.

 

Chaves

Conforme o levantamento divulgado pelo BC, a chave mais numerosa é o CPF (40,2 milhões), seguida pela chave aleatória (29 milhões), número de celular (25,9 milhões), email (18,2 milhões) e o CNPJ (2,5 milhões).

 

Valor das transações

O valor médio das transações foi de R$ 496 entre pessoas físicas, de R$ 15 mil entre empresas, de R$ 1.595 entre empresas e pessoas físicas e de R$ 886 entre pessoas e empresas. Conforme Uol, os números foram divulgados em dezembro pelo Banco Central, em um evento virtual para apresentar o balanço do serviço iniciado em novembro.

 

Faixa etária

Em relação à faixa etária dos usuários, a maioria cadastrada no serviço (36,8%) têm até 40 anos de idade. No segundo maior grupo (32,8%), os usuários têm entre 41 e 70 anos.

Quer receber conteúdos como esse por email? Inscreva-se na nossa newsletter!
É só preencher seus dados no final da página.

Segurança

O Banco Central garante que os pagamentos instantâneos são tão seguros quanto à outros meios de pagamento como TED e DOC. Informou também que não houve registro de fraudes no Pix no primeiro mês de funcionamento. 

 

O Pix conta com diversos mecanismos de segurança, como a DICT – Diretório de Identificadores de Contas Transacionais, uma base de dados que armazena as informações dos usuários recebedores e das respectivas contas transacionais, autenticação dos usuários por senha, token, reconhecimento biométrico, entre outros.

 

Crescimento

A adesão ao Pix vem registrando crescimento contínuo. Somente entre os dias 9 a 15 de dezembro, o meio de pagamento sozinho respondeu por mais de 30% de todas as transferências interbancárias no Brasil. Ou seja: está alcançando um espaço que até então era dominado apenas por TEDs e DOCs, conforme publicou o Mobile Time.

 

Novidade: Pix Cobrança

Em março de 2021 deve entrar em funcionamento o Pix Cobrança. A nova funcionalidade permite que empresas ou microempreendedores gerem um código QR (versão avançada do código de barras) para transações em data futura, como um boleto. Atualmente, o Pix permite a geração de códigos QR Code somente para pagamentos imediatos.

 

A novidade estava prevista para entrar em vigor em janeiro, porém foi adiada, conforme instrução normativa do Banco Central (BC)

 

Ainda estão previstas para 2021 outras novas funcionalidades. Entre elas, o Saque Pix, que possibilitará que o usuário faça uma transferência pelo sistema de pagamento instantâneo para um comércio e saque a quantia em dinheiro em espécie em estabelecimentos cadastrados. E também o Pix Garantido, que possibilita fazer transações como se fossem compras parceladas.

 

Quer entender mais sobre o Pix, como funciona e seus impactos para pessoas físicas e jurídicas? Acesse nossa série de posts sobre o assunto.

 

 

Deixe o seu comentário