Carregando

Métodos ágeis: o que são e qual a importância da implantação dessas práticas nas organizações

Por banco-topazio | 1 de abril de 2021

Confira detalhes sobre os métodos ágeis e também qual a importância da execução para sua empresa

Os métodos ágeis foram desenvolvidos no contexto da Tecnologia da Informação, com a intenção de solucionar questões comuns a praticamente todas as empresas. Dessa forma, essas metodologias têm como objetivo auxiliar na gestão de projetos.

Em outras palavras, os métodos ágeis buscam otimizar os processos de produção e entrega, além de ampliar a eficiência das organizações a partir de práticas específicas. As metodologias tem como objetivo simplificar a execução dos projetos e impactar positivamente nos resultados.

A partir da aplicação das metodologias ágeis, as equipes conseguem adaptar as formas de trabalhar em cada projeto. Bem como alcançar flexibilidade e agilidade nos feedbacks. Dessa forma, as empresas podem identificar aumento na velocidade das entregas; maior produtividade, independência e ainda mais qualidade do serviço.

Convidamos o Daniel Brum, coordenador de desenvolvimento de sistemas da Fineasy Tech, empresa parceira de tecnologia do Banco Topázio, para falar sobre a transformação a partir de métodos ágeis e a importância da implantação dessas práticas nas empresas. Confira os os apontamentos dele:

A transformação a partir dos métodos ágeis

O mercado global está cada vez mais dinâmico e competitivo. Com isso, as mudanças ocorrem em um intervalo de tempo cada vez menor. E ainda com uma expectativa de qualidade e assertividade cada vez maior e melhor. Esse dinamismo todo se deve à competitividade, refletindo em transformações. Tanto de estratégia, quanto de negócio e software de acordo com a necessidade que as empresas buscam.

Para que as empresas caminhem em conformidade com essas mudanças, é necessário que adotem novas formas de gerenciamento. Dessa forma, buscando inovação e agilidade nos processos com o objetivo de atingir o planejamento esperado.

Ao contrário do que muitos pensam, o movimento ágil não é algo recente. Ele já existe há alguns anos e vem amadurecendo e recebendo constante feedback para sua melhoria contínua. A primeira divulgação ocorreu em fevereiro de 2001. Quando os autores, que já praticavam métodos ágeis, se reuniram em Utah para escrever o manifesto ágil.

Valores do manifesto ágil

Indivíduos e interação mais que processos e ferramentas

Software em funcionamento mais que documentação abrangente

Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos

Responder a mudanças mais que seguir um plano

De acordo com o manifesto, mesmo havendo valor nos itens à direita, os itens à esquerda são mais valorizados.

Confira o detalhamento dos 4 valores do Manifesto Ágil:

1)  Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas
Nesse caso, podemos entender que um software é produzido por pessoas. Ou seja, uma atividade humana, buscando com que as interações entre essas partes ocorram de forma fluida e clara. E ainda melhorando a comunicação e resolvendo problemas de forma mais assertiva para um bem maior. Os processos e ferramentas tem sua importância dentro do fluxo, mas devem ajudar com que essa interação ocorra de forma simples, útil e prática.

2)  Software em funcionamento mais que documentação abrangente
O melhor resultado e, com certeza, indicador de sucesso é termos software funcionando. Nossos clientes e parceiros querem resultados com eficiência, eficácia e efetividade. Sendo assim, é importante realizar entregas sólidas. Documentação é importante, mas que seja de forma simplificada e que de fato agregue valor.

3)  Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos
É muito importante estabelecer uma parceria com clientes, buscar uma relação ganha-ganha é saudável para todos os lados. Sendo assim, esse trabalho de colaboração é muito importante, trazendo a tomada de decisão em conjunto e fortalecendo a equipe, fazendo com que no final, todos busquem o mesmo objetivo.

4)  Responder a mudanças mais que seguir um plano
Ao desenvolver produtos e softwares, lidamos com constante incerteza por conta do dinamismo do mercado. Trazendo para a realidade bancária, essa incerteza é maior ainda. Pois sempre temos normativas nas quais precisamos nos adequar e com prazos bem desafiadores.. O que fazemos constantemente é aprender com as informações e feedbacks que nos são impostos. E adaptar nosso plano o tempo todo, a fim de conseguirmos entregar um produto de qualidade, dentro do prazo esperado com o menor impacto possível.

Quer receber conteúdos como esse por email? Inscreva-se na nossa newsletter!
É só preencher seus dados no final da página.

Importância da aplicação nas empresas

A organização que pretende transformar a metodologia de trabalho, passando dos métodos tradicionais para os ágeis, pode ganhar em agilidade, produtividade e satisfação dos colaboradores e dos clientes. Pois, de modo geral, todos os processos são compartilhados e divulgados entre os envolvidos. Todo ecossistema deve se tornar, ou ao menos ter um viés ágil, para que a esteira de um produto possa seguir seu fluxo da forma mais fluida possível.

Além disso, o gerenciamento simplificado e detalhado dos processos ainda potencializa a economia de tempo e recursos. Dessa forma, os métodos ágeis atuam no sentido de aumentar a eficiência e a agilidade das entregas, auxiliando no cumprimento de prazos e na qualidade dos projetos.

No momento de buscar a implementação dos métodos ágeis, é fundamental que as empresas façam uma análise estratégica de todo o funcionamento. A partir de um estudo interno aprofundado, é possível definir quais as estratégias de gestão que melhor se aplicam a cada realidade. Algumas das possibilidades são: Lean Software Development, Scrum, Extreme Programming (XP) e o Kanban. 

Na nossa próxima publicação sobre os métodos ágeis, você vai conhecer mais detalhes de cada uma das metodologias citadas acima. Enquanto isso, confira também nossas publicações com dicas sobre gestão financeira  e gestão de crises nos negócios:

 

> Comunicação como ferramenta estratégica na gestão de crises

> A empresa pós-crise: mais cooperativa, conectada e digital.

 

Deixe o seu comentário