Carregando

Gasolina e Diesel: você sabe como esses preços são definidos?

Por banco-topazio | 26 de novembro de 2019

Estar por dentro do modelo de precificação é um fator importante para a competitividade de postos de combustível

 

De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) em janeiro de 2019 a comercialização de gasolina atingiu um total de 3,12 milhões de m³ e o diesel alcançou 4,39 milhões de m³. Comparado ao ano anterior, os números indicam um crescimento de 6,12% nas vendas. Apesar deste aumento, o mercado de revenda de combustíveis é um dos que apresenta maior instabilidade no País. Em 2018, por exemplo, foram mais 1,3 mil postos fechados e, entre as possíveis consequências destes fechamentos, estão a queda nas margens de lucro e a maior fiscalização dos órgãos competentes.

Neste cenário, conhecer o mercado de gasolina e diesel é o melhor caminho para aproveitar as oportunidades e prever com antecedência as instabilidades tão comuns neste segmento. Para isto, estar por dentro do funcionamento da precificação do combustível pode ser um importante aliado na hora de tocar seu negócio de forma mais vantajosa e competitiva.

 

Como é formado o preço da gasolina e do diesel?

 

O preço da gasolina e do diesel no Brasil é determinado por quatro fatores principais, a seguir você vai conferir como é realizado este cálculo. Confira:

Gasolina

O valor pago pelo consumidor pelo litro da gasolina no posto é formado por todos os repasses de custos existentes na cadeia de combustível. O primeiro deles é o preço pago pelas distribuidoras pelo produto vindo das refinarias, seja da Petrobras ou de empresas privadas.

O valor cobrado pelas refinarias é considerado com base na paridade de importação, ou seja pelas cotações internacionais destes produtos somadas aos custos como transporte e taxas portuárias, por exemplo. Este cálculo  é necessário pois o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. Além disso, o preço considera uma margem que cobre riscos como volatilidade do câmbio e dos preços do mercado.

 As distribuidoras também compram de usinas produtoras o etanol anidro, que é misturado à gasolina em uma proporção determinada pela legislação que atualmente é de 27% por litro. Esta mistura dá origem ao que é conhecido como gasolina C

 As distribuidoras, então, vendem a gasolina aos postos, que estabelecem o preço por litro que será cobrado do consumidor levando em conta os impostos e a margem de lucro. Para exemplificar, as porcentagens que formam o preço médio da gasolina são, com algumas variações,  distribuídos da seguinte forma:

13% – Distribuição e revenda

12% – Custo do Etanol Anidro

46% –  Impostos (ICMS, CIDE, PIS/PASEP e Cofins)

29% –  Produto na refinaria.

 

Diesel

Assim como na formulação do preço da gasolina, o valor do diesel – principal combustível utilizado por caminhões no Brasil –  também depende de toda a cadeia de produção do combustível. Além disso, o preço cobrado nas refinarias é composto também pelo custo do biodiesel – que é acrescentado ao combustível em um teor de 10% – tributos federais e estaduais e margens de lucro dos distribuidores e revendedores. No Brasil,  cerca da metade do preço final pago por cada litro corresponde à parcela cobrada pelas refinarias. 

Para se ter uma ideia,  em abril de 2019, a Petrobras respondia por 54% do preço cobrado aos consumidores, e os outros 46% somavam o valor dos impostos, as margens de revenda e a adição obrigatória do biodiesel. Mesmo que os impostos federais que incidem na gasolina e no diesel sejam os mesmos, no caso do diesel, esses tributos somam, aproximadamente, 30%, fazendo com que o preço final ao consumidor seja menor do que a gasolina.

As porcentagens que formam o preço médio do diesel podem ser distribuídos da seguinte forma:

 

 

Com tantas regras para compor o preço da gasolina e do diesel, não é difícil de entender por que esses valores flutuam com frequência. E é justamente por isso que aprofundar o conhecimento sobre o mercado de combustíveis é importante para compreender os riscos e a instabilidade do segmento.

Deixe o seu comentário